BEM-VINDOS AO BLOG, VISITEM TAMBÉM AS MÍDIAS SOCIAIS DECORA INTERI

Reboco: tudo o que você precisa saber



O reboco dá proteção externa às paredes, sejam elas de que material forem – tijolo comum, tijolo furado, bloco de concreto, etc – evitando infiltrações da chuva que porventura possam vir a prejudicar a vida útil do material e o aparecimento de mofo por exemplo. 

Características 

O reboco, ou emboço como preferem alguns, é o revestimento que irá determinar o acabamento de uma obra. 







Os rebocos só deverão ser executados depois da colocação de peitoris e caixões de portas e janelas. 

A espessura do reboco não deve ultrapassar a 10 mm. 



Deverá ser executado com argamassa 1:2:6 cimento, caulim e areia fina, devidamente camurçado. 

Por que toda essa importância dada ao reboco? 

Porque é ele quem esconde todos os defeitos (erros) que comumente aparecem no levantamento das alvenarias. 

Experiências mostram que o traço (receita) mais indicado para rebocos externos e/ou internos é 1:2:9 (cimento:cal: areia média lavada) + aditivo impermeabilizante no caso das paredes externas. 




Recomenda-se que o primeiro item a ser levado em conta, não seja o preço mas sim a origem e qualidade da areia. 

Não devemos esquecer que o barato sai caro, principalmente na questão dos rebocos. Quem já teve que refazer rebocos por causa desses defeitos, sabe muito bem o transtorno que é.

Ele serve também para dar proteção externa às paredes, sejam elas de que material forem – tijolo comum, tijolo furado, bloco de concreto, etc – evitando infiltrações da chuva que porventura possam vir a prejudicar a vida útil do material e mesmo prejudicar a saúde do morador. 

Em virtude disso é muito importante dar o devido cuidado à execução do reboco. Principalmente na dosagem dos aglomerantes (cimento e/ou cal) e na qualidade dos aglomerados (areia em suas diversas granulometrias). 

Um reboco com muito cimento, é um reboco muito rígido, pouco flexível, pouco elástico o que pode vir a causar micro fissuras, dando o aspecto de mapas. É preciso saber dosá-lo para evitar essa patologia. 

Se o reboco tem pouca cal também pode apresentar o mesmo tipo de patologia acima descrita. Daí a necessidade de saber combiná-la adequadamente com o cimento. 

A areia usada também influencia na resistência e no aspecto final do reboco. 

É preciso tomar muito cuidado com as areias saibrosas, que provocam o mesmo tipo de patologia: fissuras do tipo mapas com posterior desagregação da massa. 

Mas não devemos descuidar-nos das areias lavadas, pois elas necessitam de algum material (aglomerante) que lhes dê suficiente liga a fim de que possam ser utilizadas sem nenhum inconveniente. 

Outro item importante é o aditivo utilizado para evitar a penetração da água da chuva, ou seja, o impermeabilizante indicado para essa função. Esta questão nem sempre é levada a sério e a conseqüência imediata é o aparecimento de manchas de umidade internamente e desagregação do reboco externamente. 

Revestimento completo 

O revestimento de uma parede é constituído por três camadas (chapisco, emboço e reboco). 

– O chapisco é necessário para promover a aderência do emboço, evitando que o mesmo se solte. 

– O emboço é a camada de regularização da superfície, não devendo ser superior a 2cm. 

– O reboco tem pequena espessura, sendo uma camada fina que serve para preparar a superfície par receber o acabamento final, lixamento, tinta base e pintura. 

O chapisco serve neste caso para promover uma melhor ligação entre as partes e evitar o descolamento. 

Quanto maior for o contato das argamassas com o substrato de superfície rugosa, melhor será a ancoragem, e portanto, uma boa resistência de aderência. 
Fonte:fazfacil.com.br